segunda-feira, 10 de novembro de 2008

A IGREJA E AS FUTURAS GERAÇÕES


Diante de um mundo secularizado e da apresentação de um evangelho adulterado é necessário repensar na transmissão da fé cristã às futuras gerações.
Os valores de certo e errado, bem e mal, pecado e não-pecado se relativizaram e o ser humano passou por um processo no qual o mais importante é o individualismo. Vemos, no meio da "igreja", uma crescente preocupação em atender às necessidades pessoais de seus membros, dando a impressão que o mais importante é o “aqui e agora” e o gosto de cada um. E, o pior, desvirtuando o sentido real do Evangelho.
Diante de tal quadro, pensar na continuidade dos valores da fé cristã nas próximas gerações traz novas discussões e atitudes que antes não existiam, já que era um processo sólido e inquestionável dentro de cada grupo.
É certo que é o Senhor quem sustenta a Igreja, pois é dito que as portas do inferno não prevaleceriam sobre ela. No entanto, em muitos lugares, como na Europa, as igrejas cristãs eram vivas e fortes e hoje a realidade é outra. Isso mostra que alguma responsabilidade cabe a nós.
Há dois pilares, além de Cristo, que sustentam a transmissão da fé: a família e a Igreja.
O valor da família é fundamental, devendo apresentar e conduzir os filhos na fé cristã. No entanto, não se pode desconsiderar que a família tem passado por uma desestabilização, tornando mais relevante a missão da Igreja. A esta cabe apresentar a essência do Evangelho, a revelação de Deus em Cristo. Ela precisa ser centrada na Palavra de Deus, na compreensão do significado do sacrifício de Jesus, no entendimento da necessidade do arrependimento, e não compreendida através das ciências modernas ou do interesse de cada grupo religioso.
A herança que necessitamos deixar para futuras gerações é muito mais importante e envolve um caminho de fé que deve começar a ser trilhado por nós. Talvez seja necessário desconstruir a instituição igreja para novamente "reformá-la" segundo os critérios dos apóstolos e primeiros cristãos. Não se pode permitir que a Igreja de Cristo seja colocada em igualdade com denominações que se intitulam "evangélicas", mas não se importam em fazer Jesus diminuído e o homem exaltado. Talvez seja preciso devolver-lhe a identidade para que ela não se perca totalmente, impossibilitando nossos filhos de terem um encontro real com o Senhor.
A Igreja de Cristo precisa abraçar sua responsabilidade e atuar de forma dinâmica e eficaz. Somente através do nosso posicionamento diante do quadro atual é que elas terão a chance de conhecer o valor pessoal e histórico da fé cristã e ter uma vida baseada no amor, comunhão e obediência à Palavra. É uma árdua tarefa, mas não podemos nos omitir perante tão grande encargo. Com certeza, os resultados serão abundantes e recompensadores, pois se trata do cuidado com o Reino de Deus implantado por Jesus aqui na Terra.

Rosane Itaborai Moreira

2 comentários:

carminha ferrete disse...

Como é importante fortalecer nossas "crianças" no caminho de Jesus, pois eles são o futuro do cristianismo e muitas vezes deixamos passar dispercebidos.Que o Senhor Jesus fortaleza a cada família.
QUE JESUS CONTINUE A TE ABENÇOAR COM PALAVRAS ABENÇOADORAS.
Você é muito especial.
Mªdo Carmo

Rosane Itaborai disse...

Somente Deus para nos dar sabedoria, força e discernimento para guiar nossos filhos dentro da Palavra. Mas Ele é fiel!
Obrigada pelas palavras carinhosas.
Bjs,
Rosane.