segunda-feira, 22 de setembro de 2008

ORGULHO E HUMILDADE

Tenho refletido muito sobre o ensino de Jesus a respeito da humildade e também sobre a dificuldade do homem em seguir esse ensinamento, já que é propenso ao egoísmo e ao orgulho.
Mas Jesus não só ensinou sobre a humildade, Sua vida refletia isto em cada atitude. Dia a dia, Ele mostrava que o orgulho não fazia parte do Seu caráter. Jesus lavou os pés dos discípulos na noite da Ceia, sendo que nenhum deles era merecedor de tal ato. Jesus teve Sua morte na cruz, que era, na época, uma das mais humilhantes formas de se morrer.
É difícil compreendermos como Ele se sujeitou a tanto sofrimento, humilhação e dor por amor a nós e obediência ao Pai, mas aprendemos com Ele que somente através da humildade poderemos buscar o caráter de Cristo. E o orgulho se opõe a essa busca, impedindo um encontro real do homem com Deus.
Li um texto bem didático de C.S. Lewis a esse respeito e transcrevo-o abaixo:

O GRANDE PECADO – C.S. Lewis

Existe um vício do qual ninguém no mundo está livre; um tipo de vício que é criticado por todo mundo quando vê alguém fazendo, mas que ninguém se encontra culpado de praticá-lo. Ouvimos acerca de pessoas que tem mau caráter, ou que não podem deixar de pensar em mulheres, ou na bebida. Porém, não ouvimos ninguém que se confesse praticante desse tipo de vício. Pior ainda, não há uma falta existente em nós que seja tão difícil de ser confessada. E, para completar, por pior que seja essa prática em nós, mais nos aborrece quando vemos outra pessoa praticando-a. O vício do qual falamos é o orgulho ou amor próprio. O oposto a esse vício se conhece como humildade. Segundo alguns mestres cristãos, o pior vicio e a maldade extrema é, essencialmente, o orgulho. Os pecados sexuais, a ira, a avareza, a bebedeira, e todos os outros são apenas “picadas de mosquito” em comparação com o orgulho. Foi por orgulho que o diabo se converteu em diabo. O orgulho leva o ser humano a todos os outros vícios, e este é, sem dúvida, um estado anti-Deus na mente.
Você acha que isso é um exagero? Se considera assim, antes pense melhor. Quanto mais orgulho você tiver, mais você fica irritado quando o vê nas demais pessoas. Se você deseja saber qual a quantidade de orgulho existente em você, basta se perguntar o seguinte: ‘quanto me chateia que as outras pessoas me desprezem, que não me tomem em conta, ou que me façam “remar” para o seu próprio benefício, de me acharem incapaz para desempenhar uma função, ou ainda, se acharem superiores a mim? Quanto isso me chateia?’
O fato é que o orgulho de cada um compete com o orgulho do outro. Nós sempre desejamos estar em destaque, e nos chateia quando outras pessoas estão em destaque. O que eu quero dizer é que, o orgulho é, essencialmente, uma competição com o próximo. Nós costumamos dizer que existem pessoas que são orgulhosas por serem ricas, ou por terem mais inteligência, ou ainda, por terem um melhor físico. Mas, na verdade, essas pessoas são orgulhosas por serem mais ricas que outras, por terem mais capacidade que outras, e por serem uma melhor figura que outras. Se não existir competição, não há orgulho. Quase todos os males desse mundo, que a gente qualifica de cobiça e egoísmo, são, na verdade, orgulho.
Em Deus, encontramos alguém que, em todos os sentidos, é imensamente superior a nós. Reconhecê-lo significa deixar de lado o orgulho. Só poderemos conhecer a Deus se, e somente se, reconhecermos que nós não somos nada diante DELE. Enquanto contivermos o orgulho em nós não poderemos conhecer Deus. O orgulhoso sempre “se acha”. E, enquanto está olhando para baixo, para “os outros – finitos e miseráveis perdedores”, não terá a capacidade de olhar para Quem está sobre ele.
Isso nos conduz a uma pergunta espetacular: Como é que existem pessoas que são tão orgulhosas, e dizem que acreditam em Deus, e ainda são muito religiosas? A verdade é que estão adorando a um Deus imaginário. Se você achar que a sua vida religiosa está fazendo você se sentir “bom”, e, sobretudo, que é melhor que os outros, eu acho que você está sendo manipulado pelo diabo. A prova real de se estar na presença de Deus é a de que você se esqueça totalmente de você mesmo.

Rosane Itaborai Moreira

4 comentários:

Tomix disse...

Assistindo o canal Rede Super, ouvindo o Pastor Marcio Valadão, esse afirmou que em seu gabinete ele ouvira todas as confissões, os pecados dos mais diversos,dos mais "simples" até os mais "terríveis", mas nunca ouvira alguém confessar um tipo de pecado: a inveja. Essa que nasce do coração soberbo do homem, também pode trazer a maior cura quando encarada de frente, na minha modesta opinião...

Rosane Itaborai disse...

Olá...
Obrigada pelo comentário e agradeço a visita no blog.

Rayssa Ferrete disse...

Algumas pessoas se veem em uma santidade superior e começa a críticar o próximo esquecendo realmente da humildade e do amor incondicional.Temos sempre que olhar primeiro para nós.
Assim não teremos como "falar" em momento algum dos outros.
Gostei da matéria.
Mª do Carmo

Rosane Itaborai disse...

É verdade, temos que vigiar o pecado do orgulho espiritual, que abala nosso relacionamento com Deus e com os irmãos.
Fico feliz por saber que você gostou.